Blog Megaleios

Saiba tudo que acontece no mundo da tecnologia

Novidades do mercado digital, atualizações importantes sobre desenvolvimento de aplicativos, soluções da web e muito mais! Aqui você fica sempre bem informado. Confira os últimos posts publicados no blog da Mega!

Avalie este post

Você já parou para pensar em quais tipos de contrato existem para fechar um negócio?

A escolha desses tipos de contrato é muito importante, porque define o grau de risco assumido pelo contratante e pelo fornecedor.

Para definir qual é o melhor tipo de contrato, é preciso considerar como motivar o fornecedor e garantir que o trabalho não seja abandonado.

Mas antes de compreender quais são as suas opções, é importante que você entenda o que é um contrato.

O que é um contrato?

É um tipo de acordo entre as duas partes que estabelece um vínculo. Esse acordo obriga o fornecedor a oferecer os produtos ou serviços e o contratante a pagar.

Em um contrato você irá encontrar alguns termos e condições. Dentre eles estão: preço e forma de pagamento, taxas e juros, penalidades, papéis e responsabilidades, etc.

Tipos de contrato

Existem diversos tipos de contrato para realização de projetos, mas hoje falaremos sobre os mais conhecidos e utilizados:

Preço fixo

  • PFG: Preço Fixo Garantido
  • PFRI: PF + Remuneração de Incentivo
  • PFAEP: PF c/Ajuste Econômico de Preço
  • PFRC: Preço Fixo com Remuneração Concedida
  • OC: Ordem de Compra

Custos Reembolsáveis

  • CMRF: Custo Mais Remuneração Fixa
  • CMRI: Custo Mais Remuneração de Incentivo

Tempo e Material (T&M)

Vamos conhece-los mais detalhadamente.

Está pensando em contratar uma empresa para tirar a sua ideia de aplicativo do papel? Se a resposta for sim, entre em contato com a MEGA! Estamos prontos para desenvolver a sua ideia.

Contrato de Preço Fixo

Esse tipo de contrato é o mais comum.

Nesse caso, o contratante paga ao fornecedor um valor definido em contrato, independentemente dos custos do fornecedor.

Esse contrato reduz os riscos do fornecedor e cria estimativas de tempo e custos mais precisas.

Além disso, é possível incorporar incentivos para atingir determinados objetivos, como datas de entrega, desempenho técnico, entre outros.

Os fornecedores de contratos de preço fixo são obrigados a concluir os trabalhos. Caso não consigam, podem ter prejuízos financeiros.

Outro ponto relevante é que os contratantes precisam especificar detalhadamente o que está sendo adquirido.

Preço Fixo Garantido (PFG)

Esse tipo é o preferido pela maior parte das organizações. Isso porque o preço do produto ou serviço é definido no início e não está sujeito a alterações. Exceto em situações que o escopo do trabalho é modificado.

Se os custos forem maiores que o valor definido no início, o fornecedor terá que cobrir os custos adicionais.

Exemplo:

Contrato de Preço Fixo

Contrato = R$ 1.350.000,00

Preço Fixo com Remuneração de Incentivo (PFRI)

Nesse caso o fornecedor também oferece um preço fixo para entregar o produto ou serviço. Mas a diferença está no bônus que o comprador concorda em pagar, se o fornecedor atingir algumas metas.

Por isso é que há uma maior flexibilidade entre o contratante e o fornecedor.

As metas de desempenho são determinadas no início e o preço final é estabelecido no fim do trabalho.

Alguns exemplos de metas que podem ser definidas são a entrega do trabalho em menos tempo, menor custo e melhor desempenho.

No contrato PFRI há um teto de preços definido. Caso os custos sejam maiores, o fornecedor também precisa se responsabilizar em cobri-los.

O preço final é calculado por meio de uma fórmula relacionando os custos finais negociados e o custo-alvo total.

Exemplo:

Contrato de Preço Fixo com Remuneração de Incentivo

Contrato = R$ 500.000,00.

Para cada mês de antecipação da data de término do projeto, R$ 10.000,00 adicionais são pagos ao fornecedor.

Preço Fixo c/Ajuste Econômico de Preço (PFAEP)

Esse é um dos tipos de contrato que possui uma provisão de ajuste caso haja mudança de mão-de-obra e materiais.

É mais utilizado quando o tempo de desempenho do fornecedor se estender por vários anos. O objetivo é proteger tanto o contratante quanto o fornecedor contra condições externas.

O contrato é considerado de preço fixo, mas possui cláusulas especiais que permitem ajustes finais predefinidos no preço do contrato.

Essas cláusulas precisam se relacionar a um índice financeiro confiável que é utilizado para ajustar o preço final com precisão.

Exemplo:

Contrato de Preço Fixo com Ajuste Econômico de Preço

Contrato = R$ 800.000,00, porém será permitido um aumento de preço no segundo ano de contrato com base no INPC / IGPM referente ao primeiro ano.

Exemplo 2:

Contrato = R$ 350.000,00, mas será permitido um aumento de preço após segundo ano referente aos aumentos nos custos de materiais específicos.

Preço Fixo com Remuneração Concedida (PFRC)

O PFRC é um dos tipos de contrato de incentivo.

Esse tipo de contrato de preço fixo é semelhante ao PFRI. A diferença básica é que o montante total do bônus é pré-determinado e distribuído proporcionalmente conforme o desempenho.

Pense que o contratante pode delimitar uma remuneração concedida de no máximo R$ 80.000,00. Esse valor será distribuído proporcionalmente a cada mês que o fornecedor superar um determinado valor.

Muitas vezes o bônus concedido é julgado subjetivamente. Por isso, é recomendável criar procedimentos para conceder os bônus. Além disso, deve ser criado um comitê para ajudar a decidir de uma maneira justa.

Exemplo:

Contrato = R$ 2.000.000,00. Para cada mês em que o desempenho for maior que o nível planejado em mais de 20%, haverá um bônus. Serão concedidos ao fornecedor R$ 5.000,00 adicionais. Possuindo uma remuneração máxima de R$ 100.000,00.

Ordem de Compra (OC)

A ordem de compra é a mais simples dos tipos de contrato de preço fixo.

Normalmente é unilateral, ou seja, é assinado somente por uma parte, ao invés de ser assinado por ambas.

É bem comum em aquisições simples de commodities.

Essas ordens de compra são transformadas em contratos quando são aceitas pelo fornecedor. Isto é, quando, por exemplo, um equipamento é enviado pelo fornecedor e recebido pelo comprador.

Exemplo:

Ordem de Compra

Contrato para comprar 10 metros de tecido a R$ 20,00 o metro.

Contrato de Custos Reembolsáveis

Outro dos tipos de contrato mais comuns é o de custos reembolsáveis.

Esse contrato dá mais flexibilidade e diminui o risco para os fornecedores, já que os todos os custos são reembolsados.

É comumente usado quando os custos são desconhecidos. Além disso, pode ser utilizado quando o cliente não consegue detalhar as necessidades. É comum também em casos que existam um investimento alto no início da aquisição.

Custo Mais Remuneração Fixa (CMRF)

É a forma mais comum dos tipos de contrato de custo reembolsável.

Nesse caso, o contratante paga todos os custos do trabalho, além de um valor acordado, que será o lucro do fornecedor.

Exemplo:

Custo + Remuneração de R$ 5.000,00.

Custo Mais Remuneração de Incentivo (CMRI)

Nesse contrato, o contratante paga os custos necessários para realizar o trabalho e um valor de incentivo acordado por superar o desempenho.

Assim como PFRI, esse incentivo é útil para os objetivos do fornecedor se alinhem com os do comprador.

Exemplo:

Custo + Remuneração de R$ 5.000,00 por mês de entrega antecipada.

Tempo e Material – T&M

Os contratos por Tempo e Material também são conhecidos por Preço Unitário.

São mais utilizados quando envolvem pequenos valores e/ou períodos curtos de uso. É comum usá-los também na contratação de especialistas, ou ainda, em situações que é necessário iniciar o trabalho rapidamente.

Nesse tipo de contrato o contratante paga por homem/hora ou por item adquirido. Quando o trabalho é finalizado, o fornecedor emite uma fatura com detalhes das horas gastas e dos produtos consumidos.

Esse contrato pode ser considerado como híbrido, por ter características dos outros dois tipos de contrato citados.

Da mesma forma que no contrato de custos reembolsáveis, no T&M é desconhecido o valor final da aquisição no momento que o contrato é firmado. Mas, o preço fixo do trabalho homem/hora é conhecido.

Outra característica é que apresenta termos e condições mais simples que os outros tipos de contrato apresentados. Isso acaba deixando a negociação mais rápida e agiliza o início do trabalho.

Muitas empresas exigem a inserção de limites nos valores e tempos dos contratos de T&M. Assim, evitam um crescimento ilimitado dos custos. Nesses casos, o contratante adiciona uma cláusula de “Não exceder”, limitando assim o custo total do trabalho.

Optando por esse tipo de contrato, o contratante tem um volume médio de risco de custos, comparando com os outros dois tipos de contrato.

Exemplo:

Contrato = R$ 200,00 por hora trabalhada mais despesas ou materiais a preço de custo.

Exemplo 2:

Contrato = R$ 150,00 por hora trabalhada mais materiais.

O valor do serviço final não pode exceder R$ 15.000,00.

Dicas na hora de fazer um contrato por Tempo e Material

Lembre-se que o lucro do fornecedor já está no preço por hora oferecido. Assim, ele não tem nenhum incentivo para realizar o trabalho com mais rapidez e eficiência.

Por isso, esse tipo de contrato deve ser usado somente em projetos de curta duração. Levando em conta que o fornecedor receberá por hora.

Mas qual dos tipos de contrato eu devo escolher?

Não existe um tipo de contrato perfeito. Cada um deles é adequado para situações distintas.

A seleção dos tipos de contrato, normalmente é feita pelo contratante, que possui maior poder.

Nessa escolha, é necessário avaliar os riscos conhecidos, se o escopo está bem definido e os objetos de contrato. Ou seja, é preciso analisar o nível de informações existentes para definir a forma mais adequada de realizar as contratações de projetos.

É recomendável também que seja feito um planejamento de aquisições junto com a decisão de fazer ou comprar.

Outro ponto relevante é que se tenha um conhecimento profundo do mercado onde o produto será disponibilizado. Assim, será possível determinar o investimento no projeto.

E não esqueça que para decidir qual é o melhor para sua aquisição, considere o que motiva o fornecedor a entregar o trabalho. Além disso, vale a pena pensar em cláusulas de incentivos para que ele não decida encerrar o contrato, antes de realizar todas as entregas.

Diferentes situações para cada um dos tipos de contrato

Nas situações em que o prazo do projeto é menor e a oportunidade de negócio tem limites de aproveitamento restritos, o Contrato com Custos Reembolsáveis é o mais indicado. Isso porque o projeto pode ser iniciado com uma base dados não tão precisa, permitindo ajustes ao longo do tempo.

Já nos casos em que há prazo e condições para gerar informação e definir o escopo de maneira mais precisa, é interessante utilizar o contrato por Preços Fixos. Assim, os fornecedores terão boas informações para desenvolver o trabalho com menos riscos com custos mais firmes.

Em situações onde tem um nível informações para a realização do escopo, pode-se optar pela contratação mista, ou seja, por T&M. A modalidade de preços fixos pode ser usada para a parcela de fornecimentos com nível de precisão elevado. Já a de custos reembolsáveis para a parcela em que as informações ainda são indefinidas.

Apesar dessas dicas, avalie os seus projetos de forma independente para definir o tipo de contrato mais adequado. Afinal, cada projeto é único, mesmo que se assemelhem muito.