Blog Megaleios

Saiba tudo que acontece no mundo da tecnologia

Novidades do mercado digital, atualizações importantes sobre desenvolvimento de aplicativos, soluções da web e muito mais! Aqui você fica sempre bem informado. Confira os últimos posts publicados no blog da Mega!

Avalie este post

Sabemos que o mercado de aplicativos está cada vez mais disputado. Diante desse cenário competitivo, cobrar pelo uso de apps pode afastar os usuários. Mas como ganhar dinheiro com aplicativos gratuitos?

Essa é uma tarefa para os desenvolvedores que precisam encontrar meios alternativos para gerar lucro.

A notícia boa é que existem muitas formas de conseguir essa lucratividade mesmo nos aplicativos gratuitos.

Separamos nesse artigo, algumas opções que você pode utilizar. Confira!

Aplicativos gratuitos só no nome

O que você deve ter em mente é que 99% dos aplicativos gratuitos são desenvolvidos para gerarem uma renda.

Mesmo aqueles que buscam só validar hipóteses, em algum momento podem ser monetizados.

Mas então, como ganhar dinheiro com esses aplicativos gratuitos?

Como comentamos, existem várias formas de monetizar um app gratuito. As principais são:

  • Compras dentro do aplicativo;
  • Propagandas internas;
  • Anúncios incentivados;
  • Inscrições ou taxas;
  • Freemium;
  • Capacidade limitada;
  • Tempo de teste;
  • Compras físicas ou e-commerce
  • Marketing afiliado;
  • Patrocínio.

É importante lembrar que um método não invalida os outros! Ou seja, você usar mais de uma opção dentro do seu aplicativo.

Vamos conferir o que cada uma delas significa e como as estratégias podem ser usadas no seu app.

Compras dentro do aplicativo

As compras dentro do aplicativo são bem comuns em apps de jogos.

Esses aplicativos fazem um ótimo trabalho atraindo usuários para comprarem atualizações que melhoram o desempenho nos jogos.

É bem comum que esses apps sejam baixados de graça, permitindo depois que mapas ou funções sejam desbloqueados por meio da compra.

Um exemplo é o Pokémon Go que possibilita que os usuários visitem a loja virtual e comprem PokeCoins.

Essas atualizações e desbloqueios podem aumentar o engajamento e melhorar a experiência do usuário. Por isso, podem ser uma ótima opção!

Uma dica é optar pelo sistema de moedas ou tokens, que são formas de o usuário gastar mais por compra. Ou seja, ao invés de cobrar $1, o app pode oferecer 100 tokens.

Apesar de ser uma ótima estratégia, é preciso ficar atento a alguns pontos. Os usuários da plataforma iOS estão mais dispostos a gastar do que os de Android. Além disso, a maioria dos usuários de aplicativos mobile não compra upgrades.

Por isso, não espere que todo mundo que faz o download do seu aplicativo vá gastar dinheiro dentro dele.

Se concentre então no público que está disposta a comprar essas atualizações.

Dentre os tipos de compras estão:

  • Compras consumíveis: que o usuário gasta somente uma vez. Como moedas premium em um jogo.
  • Compras não consumíveis: todos os tipos de compras que você faz uma única vez. Alguns exemplos são novos mapas em jogos ou funções extras em um app.

Propagandas internas

As propagandas são muito utilizadas dentro dos aplicativos gratuitos.

Elas permitem que os criadores dos apps promovam produtos e ganham valores diferenciados por cada anúncio.

Os anúncios possuem variedades de tamanho, modelo, formatos, posições e localizações dentro dos apps mobile.

Os formatos mais usados para a monetização de aplicativos gratuitos são:

  • Pop-ups

Esse tipo de anúncio mostrado em pop-up ocupada a tela toda por um tempo específico. Esses anúncios são utilizados muito em apps de conteúdo, notícias ou até mesmo em jogos.

  • Banners

Os banners são posicionados na parte superior ou inferior dos aplicativos, sem atrapalhar o seu uso. Esses anúncios normalmente são programados para o público-alvo com base nos dados de comportamento de uso.

  • Vídeos

Os anúncios em vídeo, normalmente, custam mais que os estáticos. São mostrados quando o aplicativo está em uso, ou durante intervalos. É bem comum em jogos que seja oferecido uma recompensa, como moedas ou itens extra, em troca da visualização completa do vídeo.

  • Anúncios nativos

Os anúncios nativos são considerados como menos irritantes e intrusivos. Esses anúncios são feitos para se encaixarem perfeitamente no app, de uma maneira natural. Por isso, é a forma mais comum de monetização em aplicativos gratuitos.

Se você optar por essa estratégia de monetização, precisa entender como o pagamento funciona.

Nos casos das propagandas internas você será pago de acordo com as impressões ou cliques. Ou seja, você ganha por usuário que visualizar o anúncio ou por cliques na propaganda.

Embora seja uma forma interessante de gerar dinheiro, esses anúncios podem ser intrusivos para o usuário. Então, não exagere nos anúncios!

Marketing afiliado

O marketing afiliado se refere a uma comissão que a empresa consegue através dos seus apps, por promover produtos de outras.

O produto a ser promovido aparece no aplicativo por meio de anúncios.

Assim, a empresa do aplicativo recebe uma porcentagem da venda do produto que for feita por meio do app.

O maior exemplo de marketing afiliado é a Amazon, que aposta muito nessa estratégia.

Anúncios incentivados

Esses anúncios incentivados são relativamente novos na monetização de aplicativos gratuitos.

A estratégia oferece aos usuários do app vídeos ou textos que promovam uma marca específica.

Se o usuário alcançar o objetivo delimitado, recebe créditos dentro do app, ou descontos nas empresas.

Como exemplo temos o aplicativo RunKeeper, que motiva as pessoas a mapearem suas atividades e corridas. Se alcançarem suas metas, recebem prêmios do aplicativo.

O app ganha dinheiro com os anúncios, e os anunciantes ganham por meio das impressões, cliques e conversões.

Inscrições ou taxas

As inscrições permitem que os criadores dos apps vendam o conteúdo mediante um pagamento recorrente.

Essa forma de monetização é bem comum em aplicativos gratuitos que possuem atualização constante de conteúdo, como notícias, serviços na nuvem, streaming de áudio/ vídeo.

A maioria dos apps que utilizam essa estratégia oferece um número limitado de conteúdo todos os meses. Quando o usuário ultrapassa o limite, é preciso assinar o serviço para ter acesso a um novo conteúdo.

Essas assinaturas podem ser renovadas automaticamente, o que permite que os usuários utilizem o conteúdo sem grandes problemas.

Freemium

Uma variação dos aplicativos com assinaturas é o Freemium.

Esse termo é uma fusão das palavras Free e Premium.

Nesse caso o aplicativo é gratuito, mas possui versões pagas mais completas.

Os usuários podem usar a versão gratuita o quanto quiserem. Mas podem também optar pela versão Premium, que é paga e libera mais funções, remove publicidade, etc.

Um exemplo bem conhecido que se encaixa nessa categoria é o Spotify. O aplicativo pode ser usado gratuitamente, mas a opção Premium oferece funções extras e elimina as propagandas.

Capacidade limitada

Essa estratégia oferece aos usuários uma versão gratuita do aplicativo que funciona até atingir um limite.

Como é o caso do Dropbox, que cobra para que os usuários tenham mais espaço na nuvem liberado.

Tempo de teste

Aqui os aplicativos são gratuitos por um tempo limitado, para um teste dos usuários.

Os testes não são uma novidade, mas são uma maneira sólida de deixar os usuários experimentarem o app sem compromisso.

A estratégia pode ser útil para aumentar o número de usuários, que ficaram instigados a comprar a versão completa.

Um exemplo é de app que utiliza essa forma de monetização é a Netflix. A empresa disponibiliza 30 dias de teste gratuitos para os usuários.

Patrocínio

O patrocínio pode ser uma ótima forma de gerar receita dentro de um aplicativo gratuito.

Nesse caso o desenvolvedor cria um app e lança através de outra empresa, que pode ser um anunciante ou patrocinador.

Esse aplicativo pode conter anúncios ou patrocínios com foco no público das duas partes envolvidas no lançamento. Ou seja, a desenvolvedora e a que lançou.

A estratégia permite que os apps gerem receita através de acordos entre as partes.

Um exemplo relevante desse tipo de aplicativo é a união da empresa Home Depot com a Weather Channel. As empresas se juntaram e lançaram um aplicativo de previsão do tempo. Eles utilizaram um background animado, atrás da previsão do tempo, para pessoas que tem interesse em impermeabilizar suas casas.

Compras físicas ou e-commerce

Essa forma de monetização permite que empresas realizem vendas físicas dentro do app.

O aplicativo é gratuito e funciona como um site, em que os usuários podem descobrir e comprar novos produtos.

Como exemplo temos a Rovio, empresa criadora do app Angry Birds. A empresa vende camisas mochilas, adesivos e brinquedos da marca dentro do app.

Está gostando do nosso conteúdo? Se a resposta for sim, aproveite para assinar a nossa newsletter e ficar por dentro do mercado de aplicativos!

Aposte na sutileza!

Talvez você esteja se perguntando em como ganhar dinheiro convencendo o usuário a comprar itens para aprimorar a sua experiência.

Para que isso ocorra é preciso construir a ideia de que ele precisa gastar dinheiro para aproveitar ao máximo o app.

Então, pense em construir muito bem as partes gratuitas, mas não precisa deixa-las perfeitas. Essa tarefa pode ser bem delicada!

Se você desenvolver a versão gratuita de uma maneira perfeita, o usuário não terá motivos para pagar por uma melhor experiência. Já se a versão gratuita não tiver muitos recursos, os usuários não terão uma experiência que os instigue para fazer ou ver mais.

Por isso, a tarefa é encontrar esse meio termo.

Aposte na sutileza para provocar os usuários a buscarem mais recursos e benefícios dentro do aplicativo gratuito.

Caso você opte por utilizar anúncios, tenha cuidado para não deixar que eles atrapalhem a navegação dos usuários. Ou seja, eles não precisam assistir a um vídeo de 20 segundos toda vez que foram abrir o app.

Não deixe de pensar em todos esses pontos! É preciso analisar completamente o aplicativo, os usuários e o mercado para definir qual a melhor estratégia de monetização.

Descubra quais garantirão maior receita para o seu negócio!

Não há mágica para ganhar dinheiro com aplicativos gratuitos. Existem formas de aproveitar as oportunidades à medida que elas surgem.

Lembre-se que aplicativos gratuitos foram feitos para ganhar dinheiro. Então, quando lançar o seu app, não esqueça de determinar a estratégia de monetização.

Estude os competidores

Outra dica importante é estudar os seus concorrentes e os aplicativos destinados a um público semelhante ao seu. Assim, poderá ajustar seus preços e estratégias.

Por exemplo, pense que você escolheu um serviço de armazenamento. Se cobrar muito mais que os seus maiores concorrentes, precisará oferecer muito mais valor aos usuários.

Já se desenvolve um app de jogos, com compras internas, precisa avaliar se não estará cobrando muito mais que outros apps do mesmo segmento.

Integração da estratégia de monetização

Agora que você conhece diversas estratégias de monetização, precisa compreender o processo de integração desses métodos.

Primeiro, é necessário que o design do app seja focado em pelo menos uma das estratégias. Então, caso você escolha um e-commerce, precisa especificar no design onde estarão os anúncios, as promoções, etc.

O planejamento dessas funções antes do desenvolvimento garantirá que você não necessite revisar o código fonte do seu aplicativo, quando os anúncios começarem a funcionar.

Depois de compreender as estratégias de monetização, você está preparado para pensar naquela que se encaixa melhor na sua ideia.

Independentemente de qual você escolha, é preciso ter certeza de que a estratégia está alinhada ao seu modelo de negócios.

Além disso, é imprescindível que a experiência do usuário não seja prejudicada.

Conte com a MEGA

Na hora de desenvolver o seu aplicativo gratuito, escolha desenvolvedores com experiência!

Afinal, existem formas complexas de monetização que necessitam de um desenvolvimento profissional e seguro.

Para te auxiliar no desenvolvimento da sua ideia, conte com a Megaleios!

Nossa equipe é composta por profissionais com grande conhecimento técnico e antenados com as principais novidades e mudanças do mundo digital.